O que é "Stop the line" e como usar essa técnica para tratar bugs em projetos?

Publicado em 13 de julho de 2015 às 21:46

Existem várias formas de lidarmos com bugs dentro de um projeto, mas a demora em atacar um problema pode representar um grande desafio para um desenvolvedor, que precisa lembrar o que estava sendo feito e o propósito de determinada funcionalidade.

IMG_1529

 

Uma boa maneira de lidar com o problema é adotar a chamada “Stop The Line”. Criada por Taiichi Ohno, dentro do Sistema Toyota de Produção, a técnica é muito eficiente quando se trata de “bugs” e vem sendo utilizada não só em TI como também em áreas como Saúde. 

“Stop The Line” é especialmente eficaz quando temos uma funcionalidade que já passou por todo o ciclo de desenvolvimento e está sendo avaliada pelo Product Owner ou cliente de um projeto. Ao detectar o problema, eles colocam uma marcação de bug na feature e, assim, o time fica informado de que a "produção" precisa ser parada. O bug se torna o feeling do momento. Sua gravidade determinará quantas pessoas precisarão parar o que estão fazendo para resolver o problema, mas todos entendem a importância de resolver primeiro o problema de uma funcionalidade que está perto de ser entregue.

Há algum tempo, utilizamos essa prática em algumas times aqui na Just. Além disso, usamos métricas para quantificar as vezes em que um bug é encontrado em uma feature colocada para validação. Com esses dados, conseguimos saber qual a porcentagem de features com bugs encontrados e também se existe alguma semelhança entre eles, para podermos traçar nosso plano de ação.

Leia também: O que é e o que faz um Product Owner?