Microinterações: uma boa experiência está nos detalhes

Publicado em 12 de setembro de 2018 às 13:30

O Design de User Experience não está com os dias contados como dizem alguns analistas da área, mas caminhando em direção aos mínimos detalhes, ou seja, microinterações.

Microinterações são pequenas ações que estreitam o relacionamento entre a máquina e humano. Elas podem até passar despercebidas à primeira vista, mas são tão importantes que impactam o humor e a opinião dos usuário sobre o produto. 

Um exemplo de Microinteração é o app de relógio dos produtos da Apple. Percebe que em vez de apresentar uma imagem estática no display, ele realmente mostra a hora atual?

microinterações

Outros exemplos de microinterações podem ser percebidos quando você faz login em um site, ajusta configurações, manda um parabéns no Facebook, etc. Se você tirar um dia para observar as pequenas interações que faz com os produtos que utiliza, ficará surpreso com o número de vezes que realiza uma microinteração.

Veja este outro exemplo:

microinteracoes

É bem mais interessante do que clicar em um botão de enviar estático, não acha?

É bom deixar claro que Microinterações não são animações sem sentido. É preciso aliar um design divertido a uma funcionalidade útil. Só assim, a mágica que nos faz voltar a utilizar os produtos que amamos tende a acontecer.

Para isso, é bom observar 4 componentes necessários na hora de criar uma microinteração:

Trigger: É o evento que inicia uma microinteração. Pode ser algo manual, como pressionar um botão, ou automático do sistema, como uma animação que aparece quando um download é finalizado.

Rules: Definem o que vai acontecer quando o trigger é acionado, são os parâmetros das microinterações. 

Feedback: É um sinal para o usuário de que sua ação foi compreendida. Pode ser um sinal visual, sonoro, um movimento, etc.

Loop & Modes: Loop determina a duração da microinteração e se ela irá se repetir ou mudar depois de completada. Já Modes oferecem uma alternativa ao modo como um produto funciona normalmente para se adequar a situações especiais. Exemplo disso é a função nightshift do Iphone, que altera a temperatura da cor da tela para causar menos impacto na visão durante a noite.

Apesar de parecerem supérfluas, as microinterações têm um papel importante e podem alavancar o sucesso de um produto. Dan Saffer, chega a dizer, em seu livro sobre o tema, que a diferença entre um produto que nós amamos e um produto que apenas toleramos, está geralmente nas suas microinterações.


 

Bruno Tótoro

2 Posts

Tags da publicação

Processos