A Gamificação e as vantagens de utilizar essa ferramenta em seu projeto

Publicado em 30 de agosto de 2018 às 10:50

gamification business user engagement

 

Você sabia que a gamificação (ou gamification, no termo inglês) tem marcado presença em praticamente tudo o que fazemos em nossas vidas? É isso mesmo, tudo está sendo “gamificado”.

E no mundo dos negócios, a Gamificação já está bem conhecida. O que até pouco tempo era apenas uma tendência, hoje já é realidade. Segundo o Gartner, o setor prevê uma movimentação de mais de 5 bilhões de dólares em todo o mundo para o mercado digital em 2018.

Em UX esse método ajuda a melhorar a experiência do usuário de modo a incentiva-lo a explorar, interagir e aprender com o serviço/produto digital. Em resumo. a gamificação é um ótimo método para incentivar e engajar os usuários nos projetos, quando usado da maneira correta. No entanto, se a gamificação não estiver presente desde o início do projeto, no final os elementos que servem para instigar e engajar os usuários se tornam inúteis e podem acabar atrapalhando a experiência do usuário.

Mas, na prática, o que é gamificação? Antes de responder a essa questão precisamos entender o que ela não é. Gamificação não é um jogo de entretenimento. Ou seja, não podemos simplificar o termo a algo como capturar Pokémon no trabalho. Sob uma perspectiva mais técnica, podemos considerar a gamificação uma abordagem na qual os elementos e princípios de um jogo são usados para criar uma experiência de aprendizagem eficaz e envolvente. O objetivo da sua adoção nas empresas é fazer com que os colaboradores melhorem o seu desempenho, usando a motivação e o feedback em tempo real para o aumento do engajamento e o alcance de objetivos individuais ou organizacionais.

No post do Tubik Studio, eles separaram algumas mecânicas de gamificação que são comumente utilizadas, são elas:

Desafio: O ser humano naturalmente está sempre atrás de um desafio para provar que é capaz de lidar com ele. Por isso, essa é a mecânica de jogo que mais motiva as pessoas a tomarem decisões. Para motivar ainda mais é uma ótima ideia usar algumas recompensas.

Sistema de pontuação: Como uma forma de mensurar o sucesso dos jogadores, muitos jogos usam o sistema de pontuação. Na gamificação se usa esse mesmo conceito para ajudar os usuários e os stakeholders: o primeiro consegue ver suas conquistas e o outro consegue estimar o crescimento do site ou aplicativo.

Recompensas: Quando os usuários completam um desafio ou ganham um certo número de pontos, eles recebem adesivos e troféus. Este tipo de recompensa virtual é frequentemente usada em video games, por conta disso elas provavelmente estão familiarizadas com esse funcionamento. Os adesivos ganharam o amor das pessoas há muito tempo, por isso este tipo de recompensa é estimado pelos usuários. Os troféus e adesivos dão muito espaço para experimentações criativas, uma vez que podem ser projetados de várias maneiras. Tais recompensas tornam-se condutores adicionais para motivar os usuários.

Ranking: O que torna o desafio interessante para o usuário ou jogador é a competição. Nada pode motivá-los mais do que o desejo de ser o líder. Listas de rankings tipo “Jogadores que possuem mais troféus” podem aumentar o entusiasmo dos usuários. Entretanto, em alguns casos, isso pode atuar de forma contrária e desmotivar as pessoas por causa do alto nível dos outros. Por esse motivo esse tipo de aplicação é recomendado ser utilizado com cautela.

Tutorial: Esta mecânica de jogo visa facilitar o processo de interação do usuário e o produto. O usuário deve se sentir como o verdadeiro jogador, iniciando a jornada pessoal do uso do produto, por exemplo na página de onboarding, pode ser oferecida uma introdução das funcionalidades e com isso o usuário não terá medo de cometer erros. Conforme a jornada for avançando, é recomendado usar o “Method of Scaffolding” (ou em tradução livre Método do Andaime) que é divulgar recursos de forma progressiva, à medida que os usuários se tornem mais experientes no uso do produto. Essa abordagem evita que a pessoa cometa erros, tornando o produto mais agradável para o uso. Fornecendo informação sobre o progresso da jornada do usuário, nós podemos inspirar ele a continuar explorando o produto.

Tempo limite: Nós pensamos que isso não é divertido, mas, há vantagens em utilizar essa ferramenta. Por exemplo, as tarefas do jogo precisam ser completadas em um determinado tempo limite se não o jogador perde. A mesma lógica pode ser aplicada em um produto que usa gamificação. Talvez possa ser oferecido para o usuário algo que ele tenha que fazer hoje. O tempo limite faz com que as pessoas tenham uma reação rápida e de alguma forma motive-os a tomaram uma ação.